▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Atena em Dom Abr 19, 2015 6:41 pm

Athena, a deusa da justiça
O novo despertar


A luz do dia enraizava através da janela penetrando o cômodo aos poucos e junto a isto, as pálpebras lentamente se abriram e de cara reconheceram a localidade. O corpo ainda rígido devido ao repouso, se erguia com dificuldades e longos véus caíam contra o assoalho do lugar. Sua mão pálida teve de encontro com os seus cabelos e diversas mexas assim iam caindo para frente numa maneira mais delicada de acertá-los um a um. Quando mirou a porta aberta e a leve brisa que assim invadia a localidade, a mesma tivera um devaneio de se colocar de pé e de percorrer longe dali. Seus olhos exprimiam a mais pura energia que poderia transformar  qualquer tristeza em alegria e fazer o leproso virar sadio e outros afins assim a fazia andar sem rumo até uma sala central. Lá era a forma oval de uma espécie de câmara bem compactada e que retinha uma boa luminosidade que especialmente para aquela ocasião estava fixada na pequena notável. A aparência em si da garotinha que vivera desde o nascer em Atenas, era de uma criança saudável como todas que por ali moravam e abeiravam aquela idade : cabelos longos de uma cor exótica, olhos grandes e brilhantes, um sorriso enaltecedor e o melhor de tudo, uma personalidade mais pura que o azeite . Quando procurou algo que lhe fosse familiar, eis que a íris esverdeada pousa num cetro posto em vertical bem no centro da sala e que de certa forma, emergia toda a radiação solar para que ali todo o brilho notório fosse concedido. A criança entretanto, cobiçada e entretida com tamanha grandiosidade, a menina correu meio manca até o objeto e timidamente estendeu sua mão para apalpar e sentir a matéria. Os olhos de toda forma tentavam ficar fechados, mas a força de sua vontade não a permitia dar seguida a uma saída brusca, mas em uma aproximação ligeira. Quando menos se esperou a párvula menina havia retirado o armamento do lugar e abraçado com uma forte atração, pressionando firme contra o peito num rito de fervor e maravilha. De repente, um raio cruzou acima da cúpula e englobou o céu com o rasgo fascinante da atmosfera. No susto, os olhos dela se arregalaram e seu corpo foi tomado por um formigamento estranho. Braços e mãos agitadas, fizeram o báculo guardado pelo homem que a criou desde pequena, chocou contra o chão e num minuto a sala ficou na mais inerte das trevas. Do lado de fora numa árvore vizinha, um pássaro de olhos imensos piou e levantou vôo rasante que passeou algumas casas arquitetadas numa ordem numérica até parar firme no espiral de entrada feito de pedras. 

Enquanto isso, os cabelos violeta voavam violentamente e uma abalroação profunda enraizou em sua mente. Quanto aquilo diversas imagens se transfiguravam em sua cabeça eram batalhas, lutas, sangue e flechas e como fim para encerrar o tempo atual. Posteriormente com a mensagem, seu corpo lívido se ajoelhou com uma forte pressão descarregada contra seus dois ombros e o rosto teve um encontro com o chão espelhado. Quando encarou a própria face comparando grande palidez notou uma grande diferença. Seus seio haviam expandido-se e o corpo envelheceu dez anos a frente, se não bastasse o Olimpo já havia enviado o novo físico já tomado, da nova imperatriz da humanidade a deusa Athena.

•••

Pouco tempo depois de estabilizar a situação com o novo corpo, a deusa reencarnada que tampouco não deixou-se levar pelas aventuras do seu novo palácio que há muito tempo não via dirigiu-se para perto de sua estatueta simbólica e por lá soergue a cabeça deixando o queixo rente para com a frente e diante a sua glória homenagem soltou um sorriso animado e apontou a ponta do báculo que lhe acompanhou desde a troca para frente de seus seios sardenhos :

— Eis-me aqui cavaleiros… Vinde a mostrar suas faces!- A exclamação foi feita e do emblema principal do báculo uma áurea cintilante sibilou como uma torrente enviando o recado dentre as doze casas do zodíaco. Cabia aos representantes das armaduras atenienses se apresentarem para a sua nova deusa. 


avatar
Atena
Aspirante

Mensagens : 1
Data de inscrição : 16/04/2015
Localização : Santuário

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Damian de Leão em Dom Abr 19, 2015 10:50 pm

O Despertar!

Enquanto eu estava em minha casa, algo me chamou atenção... Uma áurea cintilante pareceu. - Que diabos é isso? - Murmurei baixo, tentando entender o que seria aquilo, quando finalmente caiu a ficha. - Aquela deusa despertou. Já estava começando achar que ela seria a Bela adormecida e não Atena. - Resmunguei enquanto caminho para o local, que provavelmente ela estaria e francamente, deveria ter outro meio mais rápido de chegar.


Já estava na última casa, depois de caminhar sobre as demais, parei um pouco para respirar. - Olha a casa de peixes até que é bonita, bem melhor que a minha. - Ao falar, respirei fundo e voltei a caminhar. Finalmente cheguei aonde a deusa estava, forcei um pouco minha vista, logo a vi perto de sua estátua... Olha só, a estátua me parece mais bonita que a reencarnação ou devo estar errado. Caminhei até ela com paços lentos, manti uma distância de 4 metros, me ajoelhei perante a mesma, abaixei minha cabeça e pronunciei. - Cavaleiro de ouro de leão, ao seu dispor. -

Saints of Apocalipse
THANK'S KITKAT @ SA
avatar
Damian de Leão
Cavaleiro de Ouro

Leão Mensagens : 10
Data de inscrição : 06/04/2015
Idade : 26
Localização : Casa de Leão.

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Kenshin Himura em Seg Abr 20, 2015 7:25 pm

O DESPERTAR
Estivera extasiado por um sonho mútuo. As lembranças de um mal que sempre o seguira pelos restos de seus dias desde então consistia em atordoá-lo: A perda de companheiros não é algo que pode-se esquecer de um dia pro outro. Pois todos carregam grande anseio por obterem o mesmo sentido pela luta contra as trevas, obviamente, eliminá-la por fim. Debatia-se inúmeras vezes, com suor escorrendo excessivamente como se estivesse tendo alucinações consecutivas. 

Tais pareciam constantes, não demostrando terem fins, caindo cada vez mais na escuridão infinita de sua própria mente, perdendo-se de seu outrora objetivo. Imagens eram transmitidas, trazendo à tona cenários nada agradáveis; Um túnel cinematográfico, relembrando todos os acontecimentos mais marcantes de sua vida miserável. Isso insistira em ocorrer uma vez mais, de fato já era até bem comum. Ao fechar seus olhos para desligar-se desse mundo, o corredor aparece. No entanto, dessa vez foi mais peculiar. Afundava-se mais e mais, tendo seu espírito completamente engolido como numa areia movediça que quanto mais se debate, é puxado tantas vezes que o fizera. 

Num momento importuno, estremesse uma energia que por sorte o faz cair em si. A luz manifestava-se fortemente, num tom reluzente que abrira um caminho trilhado pelo seu clarão eminente. Percorre lentamente o trajeto designado, sem medo, pelo contrário, de algum modo sentia que fosse algo bom. Sua essência entrava em total harmonia com aquele cosmo, fora muito identificado com isso. Aos seus singelos passos completarem-se, sua mente se abria e uma hipótese vinha brevemente.

- A minha deusa... - Ecoa em sua mente. - Finalmente veio à esse mundo. - Completa, dirigindo-se calmamente. Só um ser divino e puro como ela para o fazer retornar a um mundo tão pecaminoso e sujo. Num espasmo, recobra a consciência, abrindo seus olhos que de início negava a luz solar transmitida. Adaptando-se rapidamente. Levantava-se, com o peso de sua armadura dificultando levemente, mais por ter ficado tanto tempo em repouso, o afetando, claramente. 

- Eis-me aqui, cavaleiros... Vinde a mostrar suas faces! - Após indagado, já não estava situado em seu recinto. Subia os degraus com velocidade alternada. Tanto comum, digamos. Buscava primeiramente despreguiçar-se, estralando pequenas junções de seu corpo esbelto e bem definido. Evidentemente, apesar de não demonstrar de forma escancarada, a felicidade por enfim acontecer isso é inevitável. Óbvio que seus cavaleiros estariam felizes pelo ocorrido, não houvera quem nega-se, somente um hipócrita. 

Seu trajeto fora sendo completado naturalmente. Passava dos resíduos um a um. Seriam os últimos degraus a serem completados para que pudesse saber quem seria a pessoa cujo os fariam sagrassem vencedores, visando derrotar o mal e sobretudo, implantar a paz neste mundo vasto de maldade e sofrimento. Ao abrir o portão que dava acesso ao salão do Grande Mestre, pausava brevemente, tomando coragem; Adentrava, caminhando sobre o tapete vermelho que era estendido por alguns metros até que chegasse ao trono onde localizava-se o Papa. 

- Licença, senhor, estou indo à Atena. - Argumenta, reverenciando-o. Após concedido, locomovia-se em direção à estátua de sua deusa. Notando seu companheiro de guerra já presente ali. Damian de Leão, responsável pela quinta casa do zodíaco. - Muriel, o cavaleiro de ouro de Áries, senhorita. - Ajoelha-se, mantendo seus olhos fechados, mostrando-na respeito. Respirava pausadamente, esperando sua reação.


by @


_________________

Muriel, o cavaleiro de Áries!
avatar
Kenshin Himura
Aspirante

Escorpião Mensagens : 260
Data de inscrição : 05/03/2014
Idade : 17

Dados do Saint
Cosmo:
1250/1250  (1250/1250)
HP:
1250/1250  (1250/1250)
Nível: 8

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Nolito de Centauro em Ter Abr 21, 2015 4:00 pm

O despertar

Andava desatento pelos arredores do santuário, suas madeixas ruivas iluminadas como fogo sob o sol, sua armadura prateadas  brilhava, chutava pequenas pedras pedras do solo por onde passava, observara os treinamentos dos jovens aspirantes orientando ora com gestos ora com palavras.

Repentinamente algo entra em ressonância com seu corpo, uma sensação que nunca sentira algo tão reconfortante. Um enorme cosmos começa a cobrir todo o santuário, era o cosmo mais pacifico e belo que já sentira, algo diferente de tudo, unica explicação para tal evento seria o despertar da Deusa Atena, que aprendera desde de pequeno admirar, amar e servir. Rapidamente fita a estátua de Atena olhando para atrás sobre seus ombros, admira-se com um lindo brilho de luz vindo do local, ao mesmo tempo sente em sua alma as seguintes palavras:

— Eis-me aqui cavaleiros… Vinde a mostrar suas faces!

As palavras proferidas pela Deusa, o energizam e o atrai, deixando o que estava a fazer, para correr desesperadamente até a estátua de Atena. Passa a subir as escadarias das doze casas em alta velocidade, rapidamente chegando ao palácio do Papa. Ao chegar em seu destino, abre vagarosamente a porta do salão do Grande Mestre, um pouco ofegante, explica-se e pede permissão para seguir até, atravessando o tapete vermelho, segue diretamente de onde a cosmo energia era emanada, observa a presença de alguns cavaleiros e a Jovem de beleza estonteante e descomunal, realmente se tratava de uma Deusa. Se aproxima do grupo para reverenciar Atena, curva-se lentamente, ajoelhando-se e abaixando sua cabeça.

- Senhorita Atena, sou Nolito Cavaleiro de Centauro! ...


Words: 545; Wearing: this; music: break free; note: Who I am? 

_________________
avatar
Nolito de Centauro
Cavaleiro de Prata

Capricórnio Mensagens : 9
Data de inscrição : 07/04/2015
Idade : 20

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 3

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Sattin de Andrômeda em Qui Abr 23, 2015 1:09 am



O Retorno de Atena!

Apesar de recente, minha nova condição de Amazona de Atena rapidamente provou-se além de minhas expectativas. Mesmo com todo o sacrifício necessário para conquistar a Armadura de Andrômeda (e digo isto de modo literal, já que fui eu mesma sacrificada numa pedra em meio ao mar), todo o esforço por uma vida de liberdade e independência valera à pena. Era triste, no entanto, recordar-me dos outros órfãos que haviam dividido comigo, toda a experiência da Ilha de Andrômeda. Eles retornariam aos seus lares, ou às ruas. Sem nada. Alguns haviam decidido permanecer sob a tutela do Cavaleiro de Cefeu, mas também não possuíam grandes ambições de vida. Ao redor do mundo, tudo parecia cada vez mais cinza, e o próprio sol àquela altura já não brilhava tanto. Melancólico, parecia recordar-se sozinho, de dias melhores. Dias em que a deusa da sabedoria ainda caminhava entre os homens.

Estava incerta sobre que rumo tomar em minha jornada para melhor servir aos propósitos de Atena. Acabei pensando seriamente em retornar à Ilha Zéfiro, pequeno arquipélago próximo à costa da Grécia, onde nasci. Contudo, eu conhecia os meus novos deveres. Sabia que utilizar minha habilidade para manipular a essência de vida e curar pessoas, não era mais o suficiente. Eu vestira a Armadura, e devia servir diretamente às necessidades do Santuário. Com minha vida, se preciso. Lembrei-me das tardes ensolaradas e das noites chuvosas, durante as quais meu Mestre contara-me sobre os lendários Cavaleiros de Ouro. Fenick havia sido durante muitos anos o Cavaleiro de Unicórnio, e nem mesmo eu sabia deste fato. Sua própria filha adotiva. Quando ele foi morto, e fugi para a Ilha Andrômeda, assumi a responsabilidade por esta escolha. E eu não poderia falhar. Mesmo sendo uma simples amazona de bronze. Então, quando divisei no alto a silhueta das Doze Casas, percebi que certamente mais uma etapa da minha vida estava a ponto de começar. Diferente de tudo o que eu já vivera até então, estaria agora no centro do poder de Atena. Ali, centenas de aspirantes a Cavaleiros de Prata e Bronze seriam treinados. Talvez eu mesma pudesse aprender com Cavaleiros mais experientes, ou com sorte, encontrar outra amazona por ali. Tensa, tomei a Máscara da Armadura de Andrômeda entre minhas mãos. Segundo Fenick me contara, as Cavaleiras haviam abandonado a tradição de cobrir o rosto. Mesmo assim, vesti a minha, cobrindo meu rosto. Poucas armaduras de bronze possuíam máscaras, e este era o caso da minha. Eu poderia retirá-la vez ou outra, mas tomei a decisão de envergá-la como uma defesa, para afastar os estranhos e conservar minha intimidade. Talvez fosse algo estúpido, realmente. Mas então, eu sempre poderia simplesmente retirá-la, caso não me adaptasse.

Deslocada, comecei a caminhar pelos campos de treino do Santuário. Ao longe, avistei uma estrutura semelhante a um Coliseu. Ali certamente devia ser o centro de todo o treinamento dos aspirantes. Notei também a forma estranha com que alguns deles fitavam-me, ao caminhar pelo local. Pelo que eu soubera, minha Armadura havia sido uma das Cinco de Bronze, a alcançar sua forma Divina. Mas com séculos que se passaram o mito perdeu-se junto com as identidades daqueles Cavaleiros. Eu não podia ignorar o passado, mas sabia que se quisesse ser realmente reconhecida, então teria de recomeçar do zero. Junto com minha armadura. Sentindo minhas correntes retinirem conforme eu caminhava, tive de apoiar-me rapidamente numa das pilastras gregas do centro de treinamento. Um cosmo pulsante, como um farol nas trevas, ascendia. Sua luz era tão poderosa e tão pura, que meu coração aqueceu-se. Sentindo a Armadura de Andrômeda vibrar, percebi que ela reconhecia sua Senhora. Ergui meu olhar para o topo das Doze Casas, e o Centro do Santuário parecia queimar com tamanho poder. O dourado pintava o céu e manchava as nuvens com um cosmo maior do que o de qualquer Cavaleiro de Ouro, que também reluziam de suas casas.

“Eis-me aqui, cavaleiros... Vinde a mostrar suas faces!”


A voz era doce como o canto dos pássaros na primavera. Mas, sob a superfície havia uma autoridade natural, e uma força predestinada. A deusa Atena. A Salvadora da humanidade. Rapidamente, ao meu redor e por toda a parte, Cavaleiros começaram a correr na direção da Casa de Áries, rumo à Sala do Mestre. Tentando não ficar muito para trás, apressei-me em segui-los, ao mesmo tempo chocada e curiosa. Se eu não tivesse mudado de ideia, a esta altura estaria em casa, muito distante dali. E teria de voltar de qualquer jeito. O caminho pelas Doze Casas foi tranquilo e relativamente rápido, considerando que aquelas que possuíam um Guardião (nem todas as Armaduras de Ouro estavam sendo usadas) estavam vazias. Nas outras, tudo o que vi foram as Armaduras Zodiacais, e o ambiente no qual estavam sendo protegidas. Minha curiosidade para conhecer a deusa era tamanha, que sequer perdi o fôlego pelo trajeto. Notei que recebia alguns olhares de Cavaleiros de Prata ou Bronze, surpresos por verem uma Amazona. Ainda mais usando Máscara. Cheguei à Sala do Mestre pouco depois, e já havia outros por ali. Humildemente, reverenciei o Representante de Atena na Terra, e tomei o caminho para a Estátua da deusa. E lá ela estava. De pé ao lado de sua representação, trazia em sua mão um lindo báculo, para o qual não pude olhar fixamente por muito tempo. Notei que havia Cavaleiros de Ouro naquele recinto, e senti-me um tanto quanto nervosa por ser a única representante do Bronze, por ali. Ajoelhei-me, cobrindo o coração com a mão em punho. Senti meus longos cabelos cobrindo meus ombros e caindo para a frente, quando curvei o pescoço em reverência.

- Minha Senhora, Atena. Sou Sattin de Andrômeda e venho perante sua presença, para servi-la com minha vida – pronunciei-me, minha voz soando como um sino de vento, no ambiente carregado. Eu não sabia ser ameaçadora. Sei que pareci mais delicada do que o normal, mas não me importei. Certamente a deusa se agradaria de minha sinceridade. Eu era de fato, bem semelhante à Andrômeda mitológica. E este, era o motivo de eu estar vestindo aquela armadura. – É ótimo conhecer os outros Cavaleiros Atenienses, também. – Acrescentei, sorrindo embora não pudessem ver o meu rosto. Minha voz teria de ser o suficiente.

Aguardando os próximos passos daquele encontro fantástico, esperei em minha posição até que a deusa continuasse seu comunicado. Feliz por estar presente durante o retorno dela, apenas sentia-me feliz por ter sobrevivido ao rígido treinamento. Se eu ainda tivesse de passar por experiências como aquela para manter-me viva, então valeria à pena cada gota de suor, ou de sangue.

thanks juuub's @ cp!


_________________

Sattin, Amazona de Andrômeda.
avatar
Sattin de Andrômeda
Cavaleiro de Bronze

Virgem Mensagens : 7
Data de inscrição : 15/04/2015
Idade : 20
Localização : Grécia

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Araceli de Gêmeos em Qui Abr 23, 2015 12:35 pm


I'm your Gorgeous Nightmare

Os tempos estavam cada vez mais sombrios para a Terra, parecia que tudo estava se tornando cada vez mais estranho e perturbador. Era possível sentir a presença de mentes malignas por toda a parte e energia que não paravam de crescer, como se tudo estivesse se tornado uma longa e tardia guerra fria. Neste contexto encontrava-se Araceli, a portadora da armadura de gêmeos e também uma das amazonas mais poderosas de sua época. Seus longos cabelos negros em contraste com sua pele branquíssima chamavam  atenção por onde esta passava, afinal uma de suas maiores qualidades físicas era a beleza perfeita que portavam em seus rosto, entretanto ela tinha um lado um pouco ''diferente'' dos demais cavaleiros, seu coração não era puro ou digno de portar tal armadura, pelo fato deste ser bastante cruel, embora ainda assim lutasse pelo lado da Terra não pode-se afirmar que era por um motivo heroico e sim por vontade de derrotar oponentes poderosos.

De toda maneira, naquele dia especificamente Atena parecia ter acordado de seu sono, ou seja, a protetora da Terra havia despertado uma grande noticia para todo o santuário comemorar, mas Araceli sabia que por mais feliz que todos os cavaleiros e amazonas estivessem o retorno da grande deusa era um alarde que tempos ruins estavam por vir. Ela sentiu o grande estrondo do cosmo pintando os céus, muito maior do que qualquer outro ser que havia enfrentado até o momento e muito mais puro do que qualquer cavaleiro de ouro portara, aquele cosmo só poderia ser de Atena, a deusa da sabedoria.

“Eis-me aqui, cavaleiros... Vinde a mostrar suas faces!”


O Chamado havia sido feito, a Deusa pedia para que todos mostrassem suas faces para que conhecesse cada um dos cavaleiros e amazonas atuais, mais um motivo para não pensar que o motivo de ter renascido era algo bom. De toda maneira, Araceli simplesmente vestiu sua armadura dourada e pegou sua mascara de chacal, não sabia se seria enviada em combate ou algo do tipo então apenas se precaveu. Com passos lentos passou pelas casas que deveriam estar vazias devido ao chamado, e sem mais delongas chegaria aonde estavam reunidos diversos cavaleiros de bronze, prata e os de ouro. Araceli olhou para todos fazendo um esgar, não gostava de permanecer perto dos mesmos, mas logo viu a Deusa, seus olhos vermelhos brilhariam jamais havia visto alguém tão bela como aquela pessoa, até mesmo mais Bela que a própria amazona, seu coração ferveu de inveja mas com um olhar tentou evitar que a mesma notasse, seus atos foram o de simplesmente abaixar e se ajoelhar evitando o contato ocular com a Deusa

- Araceli de Gêmeos ...

Depois de se apresentar iria se distanciar dos cavaleiros e principalmente da Deusa, que por algum motivo causava inveja na amazona de ouro, provavelmente por tanto prezar pela beleza corporal. Cruzou seus braços e virou o olhar, encarava a paisagem que aquele local alto proporcionava



♦ The White Swan ♦ @ CG
avatar
Araceli de Gêmeos
Cavaleiro de Ouro

Mensagens : 9
Data de inscrição : 20/04/2015

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Montolivo de Peixes em Qui Abr 23, 2015 6:54 pm



Alvorecer da Justiça

A lenda dos deuses olímpicos; contadas apenas em histórias e fábulas que eram capazes de prender atenção de crianças, adultos e indivíduos de diferentes etnias. E tão poucos eram os homens e mulheres que tivessem vivido e guerreado em prol destes seres eternos. Mas no dia em que parecia perder tudo, e ser só mais uma alma residente do mundo inferior, por obra do destino, acabara por conhecer um destes lendários cavaleiros. Salvatore que teria abandonado o Santuário para conviver com sua maldição, havia achado uma cópia de sua infância, e em meio a uma tentativa de ajudá-lo, acabou condenando-o a um fardo, que fora ignorado pelo mais novo cavaleiro de ouro de Peixes. Alberto demonstrou que o veneno que correra entre seus órgãos, era mais do que só uma maldição, e sim, uma benção. Aquilo seria um meio de provar que era totalmente capaz de honrar sua família. E em mais ou menos há dois anos, continuou seus árduos treinamentos, para que pudesse tornar-se um forte cavaleiro. Porém, mal sabia ele que hoje seria o momento, era o dia, em que Atena voltaria para junto de seus guerreiros.

Fardado a proteger a última casa dos zodíacos, ele isolava-se em um cômodo escuro, escondido no interior da décima segunda casa. Por estar mais próximo do templo, conseguiu sentir uma centelha de cosmo energia, que viria a crescer, e espantar o jovem cavaleiro. Ele tentava identificar se tal cosmo pudera ser de um inimigo em potencial, e logo, sua armadura viria a cobrir seu corpo. Em meio a seus pensamentos, uma voz doce e suave viria a falar, ele ficava bastante surpreso, e considerando todas as alternativas, até mesmo, que seria sua deusa. Empolgado para ir até o templo aonde reside à estátua da deusa, entretanto, sua movimentação foi interrompida por presenças cósmicas que ultrapassavam por dentro de sua morada. Apesar de alguns anos de vivencia no Santuário, ele ainda não tinha conhecido sequer um dos outros cavaleiros de ouro. Portanto, acabou a considerar que seriam inimigos, e de meio a se preparar, formaria uma rosa negra em suas mãos, enquanto uma aura dourada e violenta viria a cobrir sua fisionomia por completo. Alberto seguia com passos lentos, rumando em direção ao último templo. Ele ultrapassou a vazia casa aonde residia o grande mestre, e em seguida, estava no último degrau, ficando diante de alguns cavaleiros e da mulher que exalava uma energia cósmica pura e intensiva.



— S-senhorita Atena?! — Seus olhos nunca tinham vislumbrado tal beleza, em seguida, ele desfazia a rosa negra que havia em mãos, e ajoelhava-se, mas com certa distância de seus aliados.


— Desculpe-me o atraso. Eu sou Montolivo de Peixes, cavaleiro da décima segunda casa zodiacal. — De cabeça baixa, buscava focar seus olhos apenas ao chão, como uma maneira de esconder e conter as emoções que acabara de sentir, era algo que não ocorria há anos com o pisciano.


O cavaleiro de Peixes tinha certo conhecimento sobre a quantidade do tempo em que Atena não reencarnava, e logo em sua era como um dos cavaleiros de ouro, ter a honra de conseguir conhecer tal divindade, deixara o jovem pisciano fascinado. Apesar de sua ansiedade, ele conseguiu notar os outros cavaleiros presentes, e principalmente, gravar seus rostos em sua memória, como um meio de reconhecê-los em meio a tantos outros rostos em uma futura guerra. Entretanto, a pouca presença de cavaleiros, faria aumentar mais ainda a importância de Montolivo como um dos principais defensores de Atena. Imediatamente, alegraria o santo de ouro, que parecia reconhecer este momento como único, onde se poderia honrar sua família e seu mestre.

avatar
Montolivo de Peixes
Cavaleiro de Ouro

Gémeos Mensagens : 19
Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 20

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Grande Mestre em Qui Abr 23, 2015 8:08 pm


O despertar
Aparição



O que a luz sem a escuridão e o que é a vida sem a morte? - Sim. O tão renomado ex-cavaleiro agora tinha sua velhice com ajuda de Atena uma completa dúvida do que seria dali o seu futuro. Era muito mistério para dar cargo e como mal sabia quem era a nova reencarnação, suas angustias ficavam mais apreensivas. Tinha uma garota que criava junto e tinha todos os seus cuidados redobrados. Ela tinha a pureza e mesmo que aquilo fosse pouco visto por ele, ela demonstrava fortes abalos e ainda mais, um coração de ouro. 

[...] Quando decidiu sair dos seus aposentos para o encontro da criança, o Grande Mestre deixava oculto antes de mais nada seu rosto sagrado e ia rumo ao cruzamento dos corredores. Ao ficar imóvel ao meio de uma fonte no lado leste da última sala pertencente ao terreno do santuário, suas mãos começaram a tremer freneticamente e uma raio rasgou sua mente e tampouco uma figura doce cruzou sua visão e o doce cheiro de rosas tomou conta de suas narinas. Por um impulso que não podê deter, seu corpo se virou contra  atmosfera fresca do lugar e deu de cara com os passos de costas de uma mulher bem encorpada de beleza exuberante e cabelos longos e brilhosos que o fazia viajar numa profunda sonolência. Seu coração bateu mais rápido e com profunda atração seu corpo fora mais para frente ímpeto seguindo a tão elegante dama. Só fora parar quando o ar lhe foi roubado se deparando com uma cena incomum de se ver. Um pequeno público patenteado do santuário estava de joelhos e uns e outros de pé ou paralisados com a vislumbre imagem :

— Atena… - Sussurrou. De toda aquela imagem, somente aquilo pode sair de seus lábios. Sua mão elevou-se ao ar e contornou o corpo da mesma até andar alguns lances até ficar ao seu lado. A mão dela estava prostrada com firmeza a segurar o báculo e seus olhos bem fixos nos seus amados guerreiros. Ele tão grave a sua força lhe desaparecera por aquele momento, deu uma reverência puritana e deixou a sua voz rouca, mas branda a tomar uma enfatizante presença no salão :

— Estive a sua espera a todo este tempo… - Iniciou. — Ohhh Atena. - Arrulhou. Quando quis deixar sua visão totalmente lívida, o ponderado se levantou e se virava para o brilho do dia que queimava sua pele desacostumada com a luz solar dado a suas raras aparições e depunha :

— Cavaleiros, agora que aqui vemos a prova de nossa digníssima deusa isto já é o sinal de que uma nova era está por vir…- Conteve uma represaria primária aos que não adentraram. O silêncio era apenas uma entre parte do enorme regozijo que a dias depois poderia vir. Cada vez mais flor enfadada no trato intimo, o cordial mestre se depôs a recuar alguns passos para o lado até pousar sua mão numa pilastra tombada e virar seu rosto para a estátua num ar de sutileza. 




avatar
Grande Mestre
Aspirante

Mensagens : 1
Data de inscrição : 03/04/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Ragnarök de Pégaso em Dom Abr 26, 2015 10:47 pm




Aquela música é mais chata de todas, podia ter colocado uma musica mais agitado e mais casual, pensou a amazona. Os sons que ecoava em todos os lugares eram os passos dos cavaleiros e amazonas. Ragnarök de Pégaso se considerada o “braço” direito da Deusa Athena. Ela estava fedorenta, dando a impressão que não tomava banho fazia um tempo por causa da longa de viagem, com seu amado irmão que tinha feito há pouco tempo e a maldita Caixa de Pandora que estava em seus ombros era pesada e seu corpo estava cheio cicatrizes. Ela estava comendo um chocolate que levava dentro de uma sacola que estava cheia chocolates porque estava com muita fome, muita ansiedade e falta de energia que tinha gastado a toa, mas mesmo assim sorria serena, ela piscou para as empregadas e servas, com uma ar de paquera e elas reagiram de um jeito envergonhadas e muito “kyaaaa”. Ragnarök estava tranquila porque sabia que seu irmão estava do seu lado, ele era como uma sombra dela. Ela sempre pensava que precisava dele ao seu lado, sem ele não poderia conseguir chegar aonde tinha chegado cheguei. No corredor antes do Salão ela ajustava a urna nas costas, tendo que da um empurrão nela para cima para tal enquanto chamava “Pegasus Saint, to go comming !”. A armadura se separou em detalhes, e se recolocou sem seu corpo enquanto a garota sorria. Mal chegava à porta do salão de Athena, indo diretamente onde a Athena está e já se ajoelhava diante da Deusa Athena, então segurando os punhos  com força e demonstrando uma expressão de determinação ela olhou para o seu irmão gêmeo Fënrir de Coroa Boreal então voltou a olhar o belo rosto de Athena para então seguir com sua apresentação.




- Eu, sou Ragnarök de Pégaso, estarei no seu lado até o último suspiro vossa Deusa Athena.



avatar
Ragnarök de Pégaso
Aspirante

Touro Mensagens : 23
Data de inscrição : 25/03/2015
Idade : 28

Dados do Saint
Cosmo:
100/100  (100/100)
HP:
100/100  (100/100)
Nível: 1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Fënrir de Coroa Boreal em Dom Abr 26, 2015 10:52 pm

Fënrir acompanha sua irmã Ragnarök silenciosamente, era a primeira vez que subia tão alto no Santuário, mas isso não o deixava nervoso, mesmo que não estivesse com sua irmã. Toda aquela euforia e movimentação eram bem desnecessárias, mas como era o protocolo devia segui-lo. Ele achava adorável a casualidade que sua irmã andava pelo Santuário comendo chocolate, flertando e deixando pra por a armadura no ultimo instante, coisa que ele tinha feito assim que ele entrou no Santuário.
Ele seguiu sua irmã e se ajoelhou ao seu lado olhando apenas para a sua Deusa da Guerra e com uma voz e olhar mortalmente sérios ele disse – Sou Fënrir de Coroa Boreal.
avatar
Fënrir de Coroa Boreal
Aspirante

Mensagens : 5
Data de inscrição : 31/03/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ▲ O Despertar - O novo corpo aparece

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum