Ficha de Nachash

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ficha de Nachash

Mensagem por ADM Nachash de Mephisto em Ter Mar 31, 2015 9:39 pm


Personagem

Nome: Nachash
Idade: 29
Sexo: Masculino
Signo: Capricórnio
Veste: Surplice de Mefistófeles Estrela Celeste da Liderança, Guardião de Mercúrio



Aparência: Apesar de seus quase trinta anos, ele consegue se manter com uma aparência bastante jovial. Seu corpo é detalhadamente definido, gostando de manter-se sempre da forma mais saudável possível. Isso o leva a exercitar-se aerobiamente e anaerobicamente não só como um treinamento, mas como um lazer. Ele é de pele morena. Com cabelos brancos bagunçados que cobre o lado direito do rosto. A coloração de seus olhos é violeta e ele possui uma marca de nascença pequena abaixo do olho esquerdo.
Ele possui um largo sorriso que dá uma ênfase quando solta seu sarcasmo. Geralmente, quando se encontra sem a armadura, é visto usando blazer com roupas variadas na parte de baixo, juntamente com calças escuras e botas.  Sua altura é 1,72 e seu peso sempre está no ideal. Ele sempre utiliza um par de pequenos brincos, e vez ou outra, gosta de cordões e pulseiras de contas, porém, também pode utilizar pulseiras de estilo reggae.  


Psicológico: Altamente perspicaz e centrado. Ele não desenvolveu muito sua parte empática, por isso, consegue ser alguém bastante sádico. Tem um olhar analítico que consegue interpretar escritos e gestos e descrevê-los com precisão, e quanto mais conhece uma pessoa, mais fácil é prever seus próximos passos. Ele tem um ar misterioso, e até mesmo encantador. Dominador e territorialista não admite estranhos em seu espaço e tem preferência por dominar as batalhas que participa de modo sorrateiro.
No início, parece ser uma pessoa incrivelmente séria. Porém, a privacidade faz ele se soltar e ser alguém com um ótimo senso de humor. Um humor negro ou sarcástico de preferência. Sempre com pensamentos ‘’Não gosto de brincar com a comida’’, ele gosta de lutas extremamente ofensivas, mas inteligente. Não gosta de contato físico, a não ser para relações mais íntimas. Ele consegue captar desejos e provocar de modo a fazer seu parceiro ficar extasiado em pouco tempo. É alguém muito voltado à sensualidade, conseguindo ver beleza em tudo. Hedonista, Individualista e Pragmatismo são suas filosofias de vida, ele não gosta de ficar rodeando assuntos que não tenham ferramentas para chegar-se há uma conclusão.
Amante das forças caóticas, um rebelde nato. Não há o que ele não questione, sempre foi um grande crítico da sociedade. Considera-se um ‘’Desperto’’ e todos como ‘’Dorminhocos’’, considera que a humanidade virou uma máquina que nasce para estudar, trabalhar e depois morrer. Ele é o Livre Pensador do Inferno, um grande estudioso do ocultismo Hermético e Satânico. Em sua vida mortal já era praticante dessas linhas de pensamento, e teve muito de sua personalidade influenciada por obras orientais que ensinava uma rica filosofia de vida acerca da meditação.
Não vê sentido em conquistar algo e não gozar de seus frutos, portanto como um bom Hedonista, ele desfruta de todos os prazeres da vida.   Sua personalidade remete ao Arquétipo completo de uma Serpente, por isso, adotou aos dezessete anos o Nome ‘Nachash’ que é Serpente em Hebraico. Envolveu-se em magia e descobriu a si mesmo, centralizou-se e se eternizou como um livre pensador desperto. Sua filosofia e ‘’A Serpente’’ é o que o descreve perfeitamente. ‘’Encarnado no braço direito do Diabo’’, Nachash usa essa frase, pois suas filosofias e seu Arquétipo são o que o transformam em um Satanista, entendendo-se por este nome todo aquele a quem se atribui o título de Livre Pensador e Líder Autêntico. Por isto ele foi escolhido para ser o que é.  A humanidade tem muitas ovelhas, ele nasceu para ser o Líder. Ele não repete ações, ele as inicia.


Habilidades e Particularidades:
Particularidades:

Particularidade: 7 Artes Liberais
Natureza: Mitologia
Origem: Em alguns grimórios derivados de períodos da Idade Média, senão, no próprio período da Idade Média. Mefistófeles é descrito na demonologia de grimórios como o ''Grande Mestre das muitas artes'', sendo comum em grimórios o ensinamento das Artas/Ciências liberais. Constituindo tais em sete ao todo. Três relacionadas a mente:  Lógica, gramática e retórica. E quatro relacionadas à matéria e quantidade: Aritmética, música, geometria e astronomia. Por isso vários Padres fizeram grandes avanços científicos nesse período, pois tinham livre acesso a esse conteúdo educacional. Porém, tal conteúdo não era só retido à Padres. Como também era possuído pelos chamados Livres Pensadores, ou seja, Filósofos e Ocultistas. As artes liberais, portanto, era um tesouro muito desejado na idade média. E alguns demônios, como Mefistófeles, ofereciam este conhecimento.
Adaptação: Isso permite ao usuário se utilizar de -Palavras Amaldiçoadas(Trivium)- e -Armadilhas(Quadrivium)-. A armadura permite-lhe construir técnicas relacionadas à maldições por meio da Palavra: Onde o conhecimento demoníaco se utilizaria da lógica, gramática e retórica  para criar simbolos que gravados no subconsciente do oponente lhe traria desvantagens durante um tempo em uma batalha. Como também se utilizar de armadilhas: Onde o conhecimento demoníaco do poder oferecido pela matemática precisa das quatros artes relacionadas a matéria e quantidade, consegue dar ao usuário da armadura a capacidade de impor limites ao oponente com relação a ele. Armadilhas que condicionam o inimigo à determinadas desvantagens/prejuízos caso o portador da armadura de Mephisto tenha um determinado prejuízo em relação há um caso específico, que possa ser ativada uma armadilha. Essas armadilhas e essas palavras amaldiçoadas são todas elaboradas pelas técnicas do cavaleiro, tal permitido pelo uso da armadura.

Particularidade: O Enganador
Natureza: Mitologia
Origem: Mefistófeles nos mitos associados a ele, não apenas na literatura popular como em estudos demonológicos. Ele consegue fazer um uso quase perfeito da Lógica, o que faz com que você se convença de que ele realmente está certo. Essa é a sua forma de agir: enganando, mentindo, induzindo as pessoas a aceitarem suas blasfêmias. Muito se é dito que trata-se de um demônio de alto escalão e as vezes seu nome é o sinônimo do próprio Diabo, também chamado ''Pai da Mentira''.
Adaptação: Aquele que traja a veste de Mefistófeles tem a capacidade de colocar o inimigo sobre fortes ilusões Hipnóticas, estas com efeitos bastante realistas. Ele faz isso por meio de técnicas manifestando seu cosmo e trazendo ilusões com efeitos reais na mente do próprio inimigo, fazendo com que este não só acredite estar vivenciando algo real, como sofra as consequências até mesmo danosas à sua vida desta pseudo-realidade. Sem o uso de técnicas ele já pratica ilusões mais simples, como iludir sua percepção de tempo fazendo-o ficar mais lento. Importante destacar que tais ilusões tem efeitos hipnóticos. Isso faz com que até mesmo os pensamentos do inimigo possam ser controlados por meio de técnicas adequadas. Suas Ilusões Hipnóticas o tornam um grande Enganador. Além de ser uma particularidade da armadura, tal é auxiliada por seus estudos Herméticos que envolvem a alquimia mental. Por isso mesmo que sendo auxiliado pela capacidade ilusória hipnótica de sua armadura, elevação de cosmo e alquimia mental|(Hermetismo), ele consegue praticar pequenas e simples ilusões mentais que conseguem alterar a percepção do oponente em relação ao ambiente e até prejudicar seus sentidos, fazendo-o mais lento, mais confuso, mais medroso, etc. Isso depende muito de suas intenções, tais ilusões simples nunca oferecerão danos reais ou grandes efeitos como os mostrados por meio de técnica. Estas mesmas ilusões sempre terão o objetivo de trazer desvantagens psíquicas ao oponente em batalha.


HABILIDADES:

Nome: Veneno cósmico
Descrição: Em sua vida mortal houve grande foco em seus estudos demonológicos e herméticos, porém, foram os estudos xamânicos responsáveis por sua maior transformação. Aplicando em seus treinamentos os princípios do Hermetismo microcósmico, o cavaleiro compreende perfeitamente o elemento primordial (cosmo) de forma a moldá-lo de acordo com os princípios da Alquimia. Baseado na sua Jornada Xamânica que resultou em ‘A Serpente’, sendo Nachash o Arquétipo Ofidiano. Seu cosmo foi transformado em uma verdadeira arma, sendo altamente tóxico quando por meio de uma técnica atinge com sucesso total ou parcial o oponente. Sua habilidade ‘Veneno cósmico’ faz com que o inimigo fique envenenado cada vez que leva um prejuízo em seus pontos de vida por causa de Nachash, seja por meio de técnica ofensiva, armadilha, maldição ou uso agressivo de puro cosmo. Fazendo dano em seus pontos de vida, o inimigo está instantaneamente envenenado —Salvo condições especiais como habilidade específica, particularidade, etc--. Uma habilidade onde o espectro usa os princípios da Alquimia e do Xamanismo, para fornecer ao seu cosmo o veneno de uma serpente. Pelo veneno não ser químico e sim cosmo-enérgico, logo não pode ser curado por meio de antídotos químicos e sim por meios que expulsem o cosmo de Nachash do corpo do oponente. O veneno age contra os pontos de vida do oponente a cada turno, caso atingido pelo cosmo de Nachash, e seus danos se elevam caso o oponente seja atingido por mais técnicas/ações do mesmo. Resumidamente, tudo o que for danoso vindo do cosmo de Nachash envenenará o oponente, veneno este que terá seus efeitos aumentados caso ele(o oponente) seja acertado por mais prejuízos vindos do cosmo do mesmo.
Nome: Encantador de demônios
Descrição: A palavra hebraica ''Nachash'' (em igual grafia, mas diferente pronúncia) pode ser usada para dois substantivos: Serpente e Encantamento, e para dois verbos: Sibilar e Adivinhar.  O Espectro desde sua vida mortal se desenvolveu na magia, aprendendo e praticando muito as artes divinatórias e feitiçaria. A serpente em si, por uma visão xamânica também relacionada à etimologia de Serpente tirada do hebraico. Relaciona a palavra serpente com Sabedoria, que por si só desde os povos antigos sempre foi considerada um dos princípios da magia. Todo mago era um Sábio, isso é o adjetivo presente para todo aquele que em seu povo é conhecido por ter um conhecimento mais espiritual. Essa habilidade influenciada pelo Satanismo dá poder à Nachash de invo/evocar demônios para o campo de batalha. Cada qual desses demônios é representante de um pecado capital. Ao todo os demônios Evocados são três e o Invocado é um.
Belzebu (Gula): Este é um demônio referente às Evocações. Belzebu é um demônio faminto que enxerga seus oponentes como uma oferenda cheia de sangue. Ele é um ser espiritual que afeta os pontos de vida do inimigo geralmente lhe fornecendo danos.
Belphegor (Preguiça): Este é um demônio referente às Evocações. Belphegor é um demônio que gosta de compartilhar sua preguiça com o oponente. Ele é um ser espiritual que afeta suas técnicas, geralmente limitando a quantidade de uso das mesmas. Ele é capaz de impor ao inimigo quantas técnicas ele pode usar, e às vezes, até qual o tipo que ele poderá utilizar.
Azazel (Ira): Este é um demônio referente às Evocações. Azazel tem uma raiva enorme, e gosta de fazer o inimigo sentir à mesma raiva que ele. Ele afeta diretamente o gasto cósmico do inimigo em suas técnicas, podendo fazer com o que o inimigo gaste mais cosmo para fazer uma técnica de determinado dano que ele poderia efetuar com um uso menor, ou seja, ele faz com que o inimigo aumente a quantidade de cosmo usado em suas técnicas, porém, sem aumentar os danos.
Leviatã (Inveja): Este é um demônio referente a Invocações. Quando Nachash incorpora Leviatã em sua mente, ele passa a ser uma pessoa extremamente invejosa a ponto de querer a vida do seu adversário. Portanto, quando incorporado no Leviatã, todo dano que Nachash faça ao oponente virá uma pequena porcentagem deste dano e será acrescentado aos pontos de vida dele. Ou seja, cada vez que o inimigo leva dano, uma pequena parte de sua perda se transforma em um ganho para o espectro.
A Evocação se dá por meio de técnicas. Essa habilidade apenas deixa claro o domínio do Espectro sobre os demônios, as técnicas que se utilizam de demônios são contextualizadas por sua habilidade, e esta por sua vez é contextualizada graças ao caminho que seguiu em sua vida.
A Invocação de Leviatã pode ser feita uma vez por batalha e tem uma duração de tempo indeterminado por Nachash. Essa habilidade, portanto é uma habilidade que pode ser ativada na batalha e tem uma duração de acordo com o nível narrativo.

TÉCNICAS:

Nome: Evocação de Propriedades
Tipo: Palavra Amaldiçoada/Evocação Demoníaca
Descrição: No Satanismo há duas linhas de pensamento mais conhecidas. O Satanismo Moderno onde os demônios são forças psíquicas representando Arquétipos específicos, ou o Tradicional onde demônios são entidades espirituais reais. Esta técnica permite a Nachash escolher um demônio e definir se sua propriedade é psíquica ou se sua propriedade é espiritual. Os demônios psíquicos Belzebu, Belphegor e Azazel, são símbolos da força psíquica emanada. Enquanto os espirituais são seres reais evocados para trazer complicações ao inimigo.  O gasto de cosmo depende do demônio escolhido, não há diferença de gasto entre escolher um espiritual ou psíquico, porém, no caso de Belzebu o gasto se diferencia para ataques leves, médios ou fortíssimos.
Belzebu: (Espiritual) Um demônio real, portanto espiritual, que pode assumir diversas formas. Quando evocado ele exibe formas assustadoras e não pode ser impedido por defesas que não sejam espirituais, obviamente, pois é um ser de dimensão espiritual. Ele quando invade o corpo do inimigo, se alimenta de seus princípios vitais oferecendo danos leves, médios ou fortíssimos de acordo com a vontade de Nachash.  (Psíquico) Não chega a ser uma evocação, em si é uma palavra amaldiçoada. Seguindo a linha do Satanismo Moderno, ‘’Belzebu’’ é uma palavra amaldiçoada que incorpora em propriedades psíquicas os efeitos reais, ou seja, um ser psíquico que procura fazer danos leves, médios ou fortíssimos ao oponente de acordo com a vontade de Nachash. As palavras amaldiçoadas podem ser ditas ou pensadas, a partir daí propaga-se uma onda psíquica fortíssima que avança em direção ao oponente e só pode ser impedida por defesas com propriedades psíquicas.
Pontos: 8 - Gasto cósmico - Danos leves, médios e fortes: 650, 750 e 900.
Belphegor: (Espiritual) Um demônio real, portanto espiritual, que pode assumir diversas formas. Quando evocado ele exibe formas assustadoras e não pode ser impedido por defesas que não sejam espirituais, obviamente, pois é um ser de dimensão espiritual. Ele quando invade o corpo do inimigo, pode impedi-lo de usar um tipo ofensivo ou defensivo de técnica, de acordo com o tipo que Nachash intencionar, durante certo tempo.   Entretanto, vale lembrar que Belphegor também pode ser usado para limitar o uso de técnicas usadas pelo oponente durante certo tempo. Ou seja, ele pode impedir um determinado tipo de técnica(Ofensiva ou Defensiva) ou limitar o número de técnicas que o inimigo pode usar em seus turnos durante um certo tempo. (Psíquico) Não chega a ser uma evocação, em si é uma palavra amaldiçoada. Seguindo a linha do Satanismo Moderno, ‘’Belphegor’’ é uma palavra amaldiçoada que incorpora em propriedades psíquicas os efeitos reais, ou seja, um ser que pode impedir o inimigo de usar um tipo ofensivo ou defensivo de técnica, de acordo com o tipo que Nachash intencionar, durante certo tempo.   Entretanto, vale lembrar que Belphegor também pode ser usado para limitar o uso de técnicas usadas pelo oponente durante certo tempo. Ou seja, ele pode impedir um determinado tipo de técnica (Ofensiva ou Defensiva) ou limitar o número de técnicas que o inimigo pode usar em seus turnos durante certo tempo. As palavras amaldiçoadas podem ser ditas ou pensadas, a partir daí propaga-se uma onda psíquica fortíssima que avança em direção ao oponente e só pode ser impedida por defesas com propriedades psíquicas.
Pontos: 8 - Gasto cósmico: 900
Azazel: (Espiritual) Um demônio real, portanto espiritual, que pode assumir diversas formas. Quando evocado ele exibe formas assustadoras e não pode ser impedido por defesas que não sejam espirituais, obviamente, pois é um ser de dimensão espiritual. Ele quando invade o corpo do inimigo, afeta diretamente o gasto cósmico em suas técnicas durante certo tempo, podendo fazer com o que o inimigo gaste mais cosmo para fazer uma técnica de determinado dano que ele poderia efetuar com um uso menor, ou seja, ele faz com que o inimigo aumente a quantidade de cosmo usado em suas técnicas, porém, sem aumentar os danos. (Psíquico) Não chega a ser uma evocação, em si é uma palavra amaldiçoada. Seguindo a linha do Satanismo Moderno, ‘’Azazel’’ é uma palavra amaldiçoada que incorpora em propriedades psíquicas os efeitos reais, ou seja, ele faz com que o inimigo use mais cosmo do que o normal para efetuar suas técnicas durante certo tempo, sem, porém aumentar os danos correspondentes ao acréscimo de cosmo gasto.  As palavras amaldiçoadas podem ser ditas ou pensadas, a partir daí propaga-se uma onda psíquica fortíssima que avança em direção ao oponente e só pode ser impedida por defesas com propriedades psíquicas.
Pontos: 9 - Gasto cósmico: 1000

Nome: Armadilha de Negação
Tipo: Contra golpe Armadilha
Descrição: Assim que é atacado, antes de sofrer qualquer dano ou efeito de uma técnica inimiga ele pode ativar essa Armadilha assim que se vê necessitado. A técnica se dá por um círculo roxo que aparece envolta de Nachash e logo depois aparece envolta do oponente, assim que efetuado a defesa no círculo de Nachash, do círculo inimigo virá uma rajada cósmica na forma de um relâmpago negro(Ou seja, circular e luminoso). Tal golpe é um contra-ataque, portanto, dificilmente o adversário conseguirá ter tempo de atacar e ainda se defender desta técnica. A ‘Armadilha da Negação’ é uma técnica que visa o contra-ataque em três estilos, e para cada estilo de contra-ataque há um gasto particular dependendo também das circunstâncias em que é utilizada. Quando se depara com golpes duplos efetuados pelo inimigo(por exemplo: Um que faça danos e traga efeitos indesejáveis), ele pode usar até dois estilos ao mesmo tempo, recebendo um desconto de cosmo usado em um deles, para desta forma não usar uma quantidade absurda de sua energia.
Efeitos: Quando o golpe do oponente consiste em deixar Nachash sobre efeitos desvantajosos, sejam esses efeitos de propriedade psíquica, material, espiritual ou dimensional. Esse golpe anula os efeitos do ataque inimigo e retira de Nachash qualquer efeito desagradável que tenha sido feito anteriormente a esta armadilha. Isto lhe dá uma série de vantagens, pois os efeitos negados dependem das propriedades (matéria, mente, espirito, dimensional, etc) do golpe inimigo. Como se trata de um contra-ataque. Assim que o golpe contra Nachash tem seus efeitos negados, do circulo roxo abaixo do inimigo uma rajada vermelha como um relâmpago sai lhe fazendo pouquíssimos danos. Poucos danos, para não dizer minúsculos, pois esta rajada não é de caráter ofensivo, mas sim para envenenar o inimigo ou piorar a toxicidade do veneno que já estivesse nele antes desse golpe. Já que por sua habilidade, todo golpe ofensivo que acerte o inimigo com sucesso ou parcialmente lhe envenenará ou aumentará os danos do veneno cósmico.
Defensivo: Um círculo roxo aparece debaixo de Nachash e debaixo do oponente. Quando o golpe do oponente visa lhe fazer danos específicos de qualquer natureza, essa armadilha é ativada e suga os danos do oponente pelo círculo de Nachash e o devolve no seu próprio círculo pela forma de um relâmpago vermelho onde sua força dependerá de seu próprio golpe. Claro, Nachash pode escolher se irá devolver totalmente ou
Paralisia: Embora a paralisia seja um efeito, nesta técnica ela tem uma atenção especial. Assim que o inimigo lança de qualquer técnica que vise paralisar Nachash.  Ao ativar esta armadilha ele mesmo será paralisado. Esta parte da técnica não depende só do cosmo gasto do inimigo, como também surge a rajada vermelha lhe oferecendo leves danos.
Pontos: 10 - Gasto cósmico: 1300
Nome: Qliphoth
Tipo: Palavra Amaldiçoada
Descrição:  Rauch, Jauch e Qadesh, são as três Qlipha correspondentes respectivamente à Belphegor, Belzebu e Leviathan na árvore da morte Qliphot. Esta técnica não invoca e nem evoca demônios, embora seja inspirada nessas três criaturas. Essas três palavras amaldiçoadas são arquétipos que trazem efeitos ou danos indesejados ao oponente, embora siga a ideia do Satanismo Moderno, este golpe é bem mais refinado. Baseado na parte obscura da Cabala Hermética, esta técnica que é efetuada como uma forte onda psíquica ao se pensar/falar a palavra amaldiçoada, trás ao oponente as características desequilibradas do que é atribuído a cada demônio. Preguiça, Gula e Inveja se transformam em Depressão, Bulimia e Paranoia. Pode escolher uma dessas maldições cada vez que efetua a técnica, porém, também pode escolher mais de uma efetuando apenas um gasto, caso enfrente mais de um oponente. Como toda maldição é de caráter psíquico, essa técnica só pode ser parada com defesas que tenham em vista impedir golpes psíquicos.
Rauch (Depressão): Uma forte onda psíquica se manifesta contra a mente do oponente. Trazendo-lhe incrível Depressão – Que é a forma extrema da preguiça – faz com que o mesmo sofra lentidão em seus movimentos durante alguns turnos. Dificilmente consegue efetuar uma defesa e seus ataques não importando o tipo são sempre lesados por sua mente que não consegue se focar na batalha.  Sua velocidade ao todo é inteiramente afetada, sendo mais vulnerável a golpes sem tempo de resposta e mais propenso a efetuar ataques com fácil defesa ou até contra-ataque. Caso sofra de um contra-ataque, é quase impossível que ele efetue uma defesa, levando em contra as implicações de um contra ataque.
Jauch (Bulimia): Uma forte onda psíquica se manifesta contra a mente do oponente. Trazendo-lhe uma incrível sensação de Bulimia – Que é a forma extrema da gula – fazendo com que o adversário sinta fome e ânsia de vômito ao mesmo tempo. A primeira vista pode não parecer muito útil há uma batalha, porém, além de ficar com o corpo mais enfraquecido ele também poderá perder danos a cada turno onde essa maldição está ativada de forma cada vez mais grave, ou seja, com danos mais elevados.  Uma pessoa em estado grave de Bulimia pode até mesmo vomitar sangue, e é exatamente por isso que essa maldição oferece danos cada vez mais graves ao inimigo, pois faz com que o mesmo vomite não só os alimentos digeridos que o faz perder nutrientes(deixando-o enfraquecido) como também sangue(lhe oferecendo danos).
Qadesh (Paranoia): Uma forte onda psíquica se manifesta contra a mente do oponente. Trazendo-lhe incrível Paranoia – Que é a forma extrema da Inveja --, faz com que o oponente desenvolva uma desconfiança ou suspeita exacerbada ou injustificada de que está sendo perseguido, acreditando que algo ruim está para acontecer ou que o perseguidor deseja lhe causar mal. Nesta maldição, o oponente sofre de sérias alucinações como se houvesse um ou mais inimigos imaginários no campo, deixando-o mais frustrado e desconfiado de que a qualquer momento surgirá um inimigo que lhe traga a morte, trazendo-lhe completa impotência e pessimismo em luta, deixando incapacitado para efetuar ações em luta. A Palavra amaldiçoada Qadesh faz com que ele fique paralisado, podendo ser durante alguns turnos – dois ou mais turnos paralisado de forma seguida-- ou variando os turnos – Alguns turnos sim e outros não sobre o estado de paralisia—sendo isso decidido de acordo com o Narrador.  
Pontos: 9 - Gasto cósmico: 1200

História: Nascido em 2318 e morto em 2347 por causas naturais. Seu verdadeiro nome é desconhecido, mas o que pode ser contado de sua História é bastante interessante. Nascido em uma época tensa para a humanidade, onde mais uma vez tal era assolada por pensamentos retrógados. Nachash, como prefere ser chamado, sempre foi um menino com uma visão diferencial do mundo. Desde criança ele se sentia adiantado para sua época.
O porão de sua casa era uma biblioteca empoeirada, foi lá o local onde deu início seu processo de Livre Pensador. Não gostava de brincar com outras crianças, e seus pais vendo sua atitude, o deixavam brincar sozinho na biblioteca como ele sempre pedia. Desde cedo foi alfabetizado, o que era um diferencial no seu bairro, onde os pais preferiram pôr as crianças para trabalhar ao invés de estudar. Passou sua infância vendo livros didáticos por conta própria, e conseguia compreendê-los mais profundamente que seus próprios pais. Não se pode dizer que ele era um gênio, mas estava acima da média. Foi ele o responsável por limpar toda a biblioteca e organizá-la metodicamente. Uma biblioteca, aliás, pertencente ao seu bisavô. Matemática, filosofia, sociologia, História, biologia, química, português e interpretação de texto foram as matérias que ele encontrou e estudou com muito empenho. Ótimo em matemática e português, absolutamente perfeito em interpretação de texto, filosofia e sociologia. Ele foi desenvolvendo seu senso crítico à medida que os anos passavam, sempre estando uma estrada longa a frente de todos da sua idade.  
Aos dezesseis anos ele pensava conhecer toda a biblioteca até perceber que atrás de armário de livros azul turquês, ao trocá-lo de posição, havia uma espécie pequena de porta trancada. Curioso, como sempre, procurou arrombá-la e descobriu outra biblioteca. Menor, porém, com livros de capa grossa e textura áspera.  Os desenhos encontrados nas capas eram repletos de simbolismo. Como o local estava cheio de poeira, pôs-se a fazer uma intensa faxina, para ao fim reparar melhor a riqueza ao seu redor. Reparou que a biblioteca se dividia em estantes específicas para cada tipo de livro. Os livros que continham um determinado assunto em comum estavam em uma mesma estante. Isso era perceptível antes mesmo de ver o conteúdo dos livros. Cada estante tinha um pequeno papelzinho com um nome para cada tipo, dividindo a biblioteca em: Cabala, Alquimia, Hermetismo, Satanismo, Osho, Xamanismo, Filosofia Oculta, Astral e Grimórios. Ao início, não compreendia absolutamente nada dos livros mais complexos. Até testar os livros da parte ‘’Osho’’ que continham filosofia e ensinamentos relativos à meditação e despertar de consciência, assim como tais livros lhe enriqueciam, pois correspondia exatamente à sua realidade.  Todas as pessoas ao seu redor estavam conformadas, com pensamentos de auto condenação dogmática. Nachash sempre esteve à frente, até mais a frente que seus próprios pais. Osho, Satanismo e Hermetismo não só contribuíram para fazer dele alguém realmente livre e independente, como incrivelmente questionador. Não obcecadamente cético, mas incrivelmente pragmático. Ao colocar em prática tudo que aprendia, não só a parte filosófica como magística contida nos livros. Ele trilhou no caminho do autoconhecimento, equilíbrio, estabilidade, e principalmente, poder. Desde então ele medita, viaja astralmente, aprende sobre a Alquimia Hermetista e a complementa com entidades oferecidas no Satanismo de vários Grimórios.
Isto levou anos, na verdade, sua vida inteira. Ele ‘viajava’ para obter cada vez mais conhecimento, uma parte da biblioteca maior virou seu local de culto. Ele mesmo foi o responsável por sua construção. Conseguia desvendar os segredos de cada livro e ir além do conteúdo que aquela biblioteca lhe proporcionava em suas viagens astrais. Seu perspicaz senso crítico lhe levou a descartar os livros que viu serem inúteis e de conteúdo vazio.
Claro, aquela biblioteca, tudo que ela lhe proporcionou não adiantaria de nada se ele não tivesse corrido atrás. A meditação e toda filosofia que entrou em contato lhe ensinaram a ser autêntico, individual, próprio e inovador, enfim, alguém centralizado. Sua perspicácia lhe rendeu a capacidade de avaliar todo aquele amontoado de informação como riqueza e lixo.
Sua vida não foi só nesta biblioteca. Desde que ganhou sua forte personalidade, ele viveu gozando de sua liberdade. Aprendeu a ignorar o passado e não sonhar com futuros, mas a ser incrivelmente pragmático em gozar do presente. Ele saia e se divertia, fazia tudo sem se viciar em nada. Não era nem materialista demais e nem espiritualista demais, achava a espiritualidade e o materialismo um vício humano. Ele buscava o equilíbrio, a moderação. Dominar o mundo, mas não ser dominado por seus prazeres.
Em seu estudo xamã, viu-se como a Serpente com a capacidade de transmutação. Grande sabedoria de magia e filosofia. Aprofundou-se na figura desde grande animal que desde sempre lhe chamou atenção, identificou-se com os arquétipos expostos e desde então conhece a si como Nachash (Pode ser chamado Nachash ou Nach).
Amores, sexo e paisagens. Ele era uma pessoa liberta dos pensamentos retrógados de sua época, liberdade claramente diferente de libertinagem e vício. Ele sabia aproveitar das belezas do mundo e do corpo, assim como a do próprio corpo, de modo saudável. O vento que fazia um barulho sibilante cada vez que era sentido, especialmente em grandes alturas, lhe deixou sempre muito confortável e ligado. O vento sibilava e como uma serpente envolvia seu corpo inteiro. Aos vinte e sete anos, de forma a aumentar gradualmente, já despertava aos poucos seu cosmo. Ele não sabia que nome chamar esta energia, sempre comparava ao universo em seu interior. Conseguia fechar os olhos e ver pontos luminosos que variavam suas cores e pareciam estar prestes a se expandir infinitamente. Evocou espíritos que lhe respondessem o que era isto, mas cada qual lhe dava um nome diferente. Energia universal, Ki, força mágica, elemento primordial, etc. Com poucas semanas ele conseguia manifestar um pouco desta energia e destruir pequenos objetos. Não mais o Cosmo era visto dentro, mas também fora. A descoberta do nome certo veio de sua intuição. No momento em meditava no alto de uma montanha, ele tinha várias visões de pessoas que usavam armaduras e chamavam esta energia por um nome: Cosmo. Então suas últimas palavras foram ‘’Eleve-se cosmo’’, e tal foi sua essência, e tal foi seu Ser. Viu sua própria realidade como nunca antes, viu os vários mundos. Viu o universo inteiro em uma mesma visão. O vento que batia antes em seu rosto era destruído pelo poder subatômico de seu cosmo. Ele conheceu o silêncio. Seu cosmo tomou a forma de uma grande serpente Naja em coloração roxa que se enrolava até o céu e dava seu último sibilo. Estava na hora de trocar sua pele definitivamente, estava na hora de conhecer a eternidade. ‘’Eleve-se cosmo’’ foram suas últimas palavras como um ser humano mortal. Ouroroboros é a serpente que morde a própria cauda e representa a eternidade, o início sem fim. Ele deixava de ser uma serpente, se tornava um radiante dragão.  A Serpente do abismo, ele decidiu evoluir e trocar a pele mais densa, trocar sua manifestação material. O amor e luz de um Éden nunca foi o seu desejo, senão, o Caos e soberania do Submundo. Ele despertou como a perfeita estrela maligna de Mefistófeles, o demônio literário, folclórico e presente no mais secreto grimório. Passou sua vida conhecendo demônios, e agora se torna um deles. Desde que se vestiu com o grande traje do Caos, agora se aproveita de uma vida nova. Onde aquele que manifesta seu poder sobre os outros é um líder, aonde se chega ao poder pelo merecimento. Ele é Nachash, A Serpente, de Mefistófeles, O Demônio do Abismo.








Última edição por MOD Nachash de Mephisto em Qua Abr 22, 2015 2:49 pm, editado 4 vez(es)
avatar
ADM Nachash de Mephisto
Espectro Celeste

Mensagens : 50
Data de inscrição : 30/03/2015

Dados do Saint
Cosmo:
1000/1000  (1000/1000)
HP:
1000/1000  (1000/1000)
Nível: 4

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Nachash

Mensagem por ADM Áster de Câncer em Ter Mar 31, 2015 10:15 pm

Ficha devidamente APROVADA
Muito bom o desenrolar da história.

Bem vindo ao reino de Hades

_________________
Sua cabeça irá enfeitar minha morada de Câncer!
avatar
ADM Áster de Câncer
Cavaleiro de Ouro

Mensagens : 58
Data de inscrição : 23/03/2015

Dados do Saint
Cosmo:
1250/1250  (1250/1250)
HP:
1250/1250  (1250/1250)
Nível: 8

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum